O baixista Nikki Sixx, do Mötley Crüe, publicou uma mensagem no Twitter que pode ser interpretada como uma indireta ao Kiss. Sixx fez menção às recentes acusações de que a banda, que está em turnê de despedida, estaria usando playback nos shows.

“Certa banda que está na estrada agora mesmo ficava colocando para baixo outras bandas ao dizer que eles eram uma banda REAL de rock, sem backing vocals, entre outros comentários de velhos mal-humorados – exceto pelo fato de seus vocais principais estarem gravados. Pessoas com teto de vidro não deveriam atirar pedras #SaiaDoMeuGramado #MágicoDeOz”, afirmou Sixx, pelo Twitter.

xxıS ıʞʞıN

✔@NikkiSixx

Certain band out on the road right now putting other bands DOWN and saying that they are a REAL rock band, no background singers,and other old people cranky comments except his lead vocals are on tape.People in glass houses shouldn’t throw rocks. #GetOffMyLawn #WizardOfOz

A referência ao quarteto mascarado é evidente, não só pelas polêmicas recentes de playback, como pelas declarações citadas por Nikki Sixx. Em 2015, o vocalista e baixista do Kiss, Gene Simmons, criticou bandas que usam gravações prévias durante os shows. Ele disse que tais músicos não são honestos e deveriam colocar a informação nos ingressos.

“Tenho um problema quando você cobra US$ 100 para ver um show ao vivo e o artista usa trilhas pré-gravadas. É como os ingredientes da comida: se o açúcar é o primeiro do rótulo, pelo menos é honesto. Deveria estar escrito no ingresso que você está pagando US$ 100, cerca de 30% a 50% do show é pré-gravado e às vezes eles vão cantar, mas, às vezes, será playback. Ao menos, seria honesto. Não é sobre as trilhas pré-gravadas em si, mas, sim, sobre desonestidade”, afirmou Simmons.

Em seguida, o “linguarudo” citou bandas como AC/DC e o Metallica, além do Kiss, por não usarem trilhas pré-gravadas.

Sixx, por sua vez, já defendeu o uso de trilhas pré-gravadas no Mötley Crüe, banda que se aposentou dos palcos em dezembro de 2015. “Usamos tecnologia desde 1987”, afirmou ele, citando recursos como “sequenciadores, sub-tones, trilhas de backing vocals e cantoras de apoio em si”. “Também usamos coisas que não podemos levar em turnê, como violoncelo em baladas e afins. Amamos isso e não escondemos. É uma ótima ferramenta para preencher o som”, afirmou.

O guitarrista e colega de banda de Nikki Sixx, Mick Mars, comentou em entrevistas anteriores que não gostava do método aplicado pela banda. Ele afirmou preferir os shows onde os músicos tocam tudo ao vivo.

A indireta de Nikki Sixx escancara o clima ruim entre Mötley Crüe e Kiss, que já trocaram farpas em entrevistas, ainda que nunca tenham se citado nominalmente. O fato mais curioso é que as bandas já excursionaram em uma turnê conjunta, entre os anos de 2012 e 2013.

Pin It on Pinterest

Share This